Pular para o conteúdo principal

Portabilidade de carências é discutida em Comitê de Regulação da ANS

Portabilidade de carências foi o tema da 1ª Reunião do Comitê de Regulação da Estrutura dos Produtos da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), realizada no dia 17/03, no Rio de Janeiro. A diretora de Normas e Habilitação dos Produtos explicou aos cerca de 80 representantes de operadoras e de entidades do setor presentes o motivo da escolha do tema: “A portabilidade faz parte de nossa agenda regulatória, estimula a concorrência e o direito do consumidor de mudar de plano de saúde sem iniciar novos períodos de carência. Está relacionada à satisfação do consumidor, à qualidade e sustentabilidade da saúde suplementar”.
O coordenador de Mobilidade entre Produtos, Bruno Ipiranga, apresentou o histórico de criação da portabilidade na saúde suplementar, incluindo o Guia de Planos, ferramenta disponibilizada no portal da ANS para ajudar o beneficiário na escolha do seu novo plano de saúde. Com o retrospecto a Agência espera estimular os participantes do Comitê a colaborarem para a criação de um novo normativo sobre o tema. Internamente, a ANS vem discutindo possíveis alterações desde 2015, quando foi criado um grupo técnico formado por especialistas da Diretoria de Produtos, cujo resultado foi compartilhado com as demais diretorias da Agência.
“Neste primeiro encontro não apresentamos as propostas da ANS justamente para coletarmos as impressões do setor sem qualquer tipo de influência. As colaborações serão levadas em consideração na criação de um novo normativo sobre portabilidade de carências. Esperamos as contribuições de todos para avançarmos”, explicou Rafael Vinhas, gerente geral da Estrutura dos Produtos.
Em 2009, após estudos internos, a ANS normatizou as primeiras regras de portabilidade – a princípio restritas a planos individuais – até chegar à resolução atual. “Após monitorarmos o impacto da primeira regra, a Resolução Normativa nº 252/2011 aprimorou o normativo e estendeu o benefício aos planos coletivos por adesão, além de ampliar o prazo para o beneficiário portar as suas carências - no mês de aniversário do contrato e nos três meses subsequentes”, esclareceu a gerente de Manutenção e Operação dos Produtos, Fabrícia Goltara.
No encontro, foram lançados os seguintes pontos de atenção aos representantes do setor na construção de suas sugestões à ANS:
  • Período para o exercício da portabilidade; 
  • Compatibilidade por tipo de cobertura; 
  • Compatibilidade de preço para planos em pós-pagamento e odontológicos; 
  • Compatibilidade de preço para portabilidade por liquidação de operadora; 
  • Portabilidade de beneficiários de planos coletivos empresariais.
A proposta do Comitê de Regulação da Estrutura dos Produtos é criar um fórum permanente de discussões sobre temas como portabilidade, registro de produtos, entrada e saída de consumidor, rede e garantia de atendimento, composição atuarial e reajuste. “Queremos trocar ideias e receber contribuições para garantirmos uma discussão regulatória técnica qualificada que possa subsidiar as decisões da Agência. Nossa intenção é construir com o setor formas de avançarmos na regulamentação”, disse a diretora Karla Coelho.

FONTE: ANS
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

STJ - Mantida indenização de R$ 60 mil por lesão em bebê durante parto

A Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve a condenação do estado do Acre a pagar indenização de R$ 60 mil a um casal, por dano moral e estético decorrente de lesão em bebê, durante parto realizado em maternidade pública, em 2013. Segundo a ação de indenização por erro médico movida pelo casal, o responsável pelo parto segurou a recém-nascida de mau jeito, comprometendo os movimentos do braço. Em decorrência dessa lesão, a criança teve de se submeter a sessões de fisioterapia. A sentença condenou o estado a pagar R$ 100 mil. Na apelação ao Tribunal de Justiça do Acre (TJAC), o estado alegou não estar comprovado o nexo de causalidade entre o dano e a conduta do médico, “uma vez que teria ocorrido caso fortuito”. Pediu a redução da indenização, o que foi acolhido, caindo o valor para R$ 60 mil. Decisão Ainda inconformado, o estado do Acre recorreu ao STJ. O relator, ministro Sérgio Kukina, afastou as questões processuais levantadas pelo estado e afirmou não ser cabív…

Cláusula que exclui cobertura de prótese é abusiva

O juiz da 4a. Vara Cível da Comarca da Capital do Estado de São Paulo julgou procedente ação judicial movida por beneficiário de plano de saúde que teve negada a cobertura para implantação de prótese de quadril. 
Na sentença, o magistrado destacou que "com efeito, em que pese à possibilidade de o contrato firmado entre as partes estabelecer cláusulas limitativas da cobertura, tais restrições devem ser interpretadas de modo a não ameaçar o próprio objeto do contrato ou o seu equilíbrio.
A relação estabelecida entre as partes é de consumo, pois a ré presta serviço remunerado de assistência à saúde para o autor (destinatário final do serviço), tendo aplicação às normas do Código de Defesa do Consumidor."
A apólice do Autor era anterior à Lei nº 9.656/98 e contém cláusula com exclusão para cobertura de próteses e órteses. A Bradesco Saúde alegou que tal exclusão expressa era legal e não caracterizava qualquer abusividade ou ilegalidade.
Porém, há que se destacar que a exclusão n…

Operadora de planos de saúde deve custear exame

Paciente teve procedimento negado pela empresa.
O juiz José Wilson Gonçalves, da 5ª Vara Cível de Santos, concedeu a antecipação de tutela para determinar que uma operadora de planos de saúde autorize e custeie, no prazo de dez dias corridos, a realização de um exame a paciente portadora de isquemia. Em caso de descumprimento, ficou arbitrado pagamento de multa diária no valor de R$ 5 mil, até o limite de R$ 500 mil. A autora afirmou que, diante de um possível agravamento da doença, os médicos solicitaram exames específicos, mas o convênio recusou a cobertura por não estar previsto no contrato – apesar de a Agência Nacional de Saúde (ANS) ter formado entendimento de que tal exame deve ser incluído obrigatoriamente nos planos de saúde. O magistrado explicou que o perigo de dano decorre naturalmente da necessidade atual da providência prescrita e não quando finalizar o processo, o que seria tarde demais. “Desse modo, concedo a tutela antecipada para determinar que a ré autorize e custeie i…