Pular para o conteúdo principal

Perdi o emprego. Posso manter meu plano de saúde?




A questão se tornou bastante comum nos últimos tempos, tanto pela crise econômica, como pela recente decisão do STJ em recurso repetitivo, e por isso iremos abordar em que hipóteses é possível manter o plano de saúde após a perda do emprego.

A Lei 9.656/98 traz 2 hipóteses para manutenção do plano de saúde: rescisão ou exoneração do contrato de trabalho sem justa causa e aposentadoria.

O primeiro caso é tratado pelo artigo 30 da Lei 9.656/98 e contempla as situações de rescisão do contrato de trabalho sem justa causa. Neste caso, o trabalhador deverá comprovar que contribuiu com parte do pagamento do plano de saúde e deverá assumir o pagamento integral da mensalidade a partir do desligamento. Importante diferenciar entre o custeio do plano de saúde e a coparticipação. A coparticipação não caracteriza o custeio do plano e o parágrafo 6º., do artigo 30, da Lei 9.656/98, determina isto de forma expressa. O STJ ainda apreciará qual a extensão de coparticipação que eventualmente dá direito à manutenção do plano.

Portanto, o primeiro requisito é que o funcionário tenha contribuído com o pagamento do plano.

O segundo requisito é que a demissão tenha sido sem justa causa. Isto exclui as situações em que o funcionário pede demissão ou é demitido por justa causa.

Preenchidos os requisitos, é preciso calcular o período em que o plano poderá ser mantido. A regra é dada pelo artigo 30, par. 1º., da Lei 9.656/98. O período mínimo é de 6 meses e o máximo de 24 meses, sendo que o beneficiário tem direito a 1/3 do tempo de permanência no plano de saúde. Em outras palavras, se um funcionário foi beneficiário de um plano de saúde por 5 anos (60 meses) e é demitido sem justa causa, ele terá direito à manutenção do plano por 20 (vinte) meses.

Após o decurso de tempo, deverá então o indivíduo procurar um novo plano de saúde (individual ou coletivo por adesão), utilizando-se dos benefícios da portabilidade.

Alguns pontos relevantes que devem ser mencionados. O direito de manutenção o plano é extensivo a todo o grupo familiar e, em caso de morte do titular, o direito de permanência é assegurado aos dependentes cobertos pelo plano. Por fim, caso o beneficiário seja admitido em novo emprego, cessa o direito de permanência no plano de saúde.

A situação de aposentadoria é tratada no artigo 31, da Lei 9.656/98 e remete aos requisitos do artigo 30 (discutidos anteriormente) para que haja o direito à permanência no plano de saúde.

Altera-se, porém, a forma de cálculo de prazo de permanência, sendo que se houver contribuição superior a 10 anos, o direito de manutenção do plano é vitalício. Nos casos em que a contribuição for inferior a 10 anos, a regra é o direito de manutenção à razão de um ano para cada ano de contribuição, desde que o consumidor arque com o pagamento integral do plano de saúde.

Uma dúvida frequente refere-se ao momento da aposentadoria. Se a pessoa se aposenta durante o contrato de trabalho, o direito de permanência começa a ser contado a partir da rescisão do contrato de trabalho. Na data da rescisão é que será contado o período de tempo a que o aposentado terá direito à manutenção do plano de saúde.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Operadora não pode rescindir sem motivo plano de saúde coletivo com menos de 30 usuários

A Quarta Turma consolidou o entendimento entre os colegiados de direito privado do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ao estabelecer que as operadoras de planos privados de saúde não podem rescindir unilateralmente e sem motivo idôneo os contratos coletivos com menos de 30 beneficiários. Ao negar provimento ao recurso especial de uma operadora, o colegiado consignou que, nessa hipótese, as bases atuariais são semelhantes às das modalidades individual ou familiar, em que há maior vulnerabilidade do consumidor. O caso julgado pelo STJ teve origem em ação ajuizada por uma empresa contábil após a operadora do plano rescindir unilateralmente o contrato coletivo firmado em 1994 e que contemplava apenas cinco beneficiários, todos com idade superior a 60 anos. Em primeiro e segundo graus, a Justiça de São Paulo julgou a ação procedente e manteve vigente o contrato. Três espécies A relatora do recurso no STJ, ministra Isabel Gallotti, explicou que a Lei 9.656/1998 distinguiu três espécies de c…

Terceira Turma do STJ afasta obrigatoriedade de custeio de fertilização in vitro por plano de saúde

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) acolheu, por decisão unânime, o recurso de um plano de saúde que questionava a obrigatoriedade de cobertura de procedimento de inseminação artificial, por meio da técnica de fertilização in vitro, solicitada por uma cliente. O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) havia considerado abusiva a cláusula contratual que exclui a fertilização in vitro como técnica de planejamento familiar. Todavia, de acordo com a Terceira Turma, essa técnica consiste em um procedimento artificial expressamente excluído do plano de assistência à saúde, conforme fixado pelo artigo 10, inciso III, da Lei 9.656/1998 (Lei dos Planos de Saúde) e pela Resolução 387/2015 da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), vigente à época dos fatos. A paciente apresentava quadro clínico que a impedia de ter uma gravidez espontânea. Por isso, pediu judicialmente que o plano de saúde custeasse a fertilização in vitro. A operadora recorreu ao STJ do acórdão do TJSP…

Plano de saúde indenizará paciente que teve mamoplastia negada

Mulher necessitava de redução mamária devido às dores. A 5ª Vara Cível da Comarca de Santos condenou empresa de plano de saúde a indenizar por danos morais uma paciente que teve pedido de cirurgia negado. O valor da reparação foi fixado em R$ 9 mil.
Consta nos autos que a beneficiária do plano de saúde obteve laudo médico atestando o diagnostico de gigantomastia que causava sérios problemas em sua coluna. Com a recomendação médica em mãos, após realizar exames, a paciente teve seu pedido de cirurgia de redução de mama negado pela ré, que alegou não cobrir procedimentos cirúrgicos com fins estéticos. 
De acordo com o juiz José Wilson Gonçalves, “a negativa do plano de saúde baseada no fato de a cirurgia de mamoplastia redutora constar do rol da ANS apenas como necessária nos casos de lesões traumáticas e tumores, como o câncer de mama, implica manifesto desequilíbrio contratual, porque a cobertura de redução necessária à busca da cura e não puramente estética da enfermidade cujo tratament…