Pular para o conteúdo principal

Justiça Federal determina que União forneça medicamento de alto custo à criança com doença rara

 A União Federal deverá fornecer, no prazo de até trinta dias, o medicamento Diazóxido 25 mg a um menor que possui uma doença rara denominada Hipoglicemia por Hipersinsulinismo, que pode gerar crises convulsivas e provocar sequelas neurológicas irreversíveis. A liminar foi proferida no dia 17 de setembro de 2021 pelo juiz federal Djalma Moreira Gomes, da 25ª Vara Cível de São Paulo/SP.

Os genitores, que representam o menor, narraram que a doença que o acomete ocasiona episódios potencialmente graves de hipoglicemia (queda da taxa de açúcar no sangue) e que o único tratamento indicado para manter os níveis glicêmicos é o Diazóxido de 25 mg, prescrito para uso oral e contínuo de 360 comprimidos por mês.

Os autores alegaram que, desde o nascimento, a criança tem passado sua vida em hospitais, tentando sobreviver da melhor forma possível, com grande sofrimento. Informaram que desde o mês de fevereiro o menor está internado no Hospital Casa de Saúde Santa Marcelina, em São Paulo, recebendo assistência diuturnamente.

Por fim, ratificaram que a doença é congênita, rara, delicada e requer urgência no tratamento e que não há outro medicamento fornecido pelo SUS para substituir o pleiteado na ação. Pontuaram, ainda, que o custo do Diazóxido (importado dos Estados Unidos) é extremamente elevado e que não possuem condições financeiras para custeá-lo.

A União sustentou que o Diazóxido possui registro ativo na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) apenas na apresentação de solução injetável comercial com o nome de Tensuril® enquanto o solicitado pelo autor (em apresentação de cápsula ou solução oral) não possui registro na Anvisa. Alegou que o SUS possui cobertura para tratamento da enfermidade em questão, além de estar cumprindo rigorosamente a legislação vigente sobre o assunto.

Para Djalma Moreira Gomes a questão trazida a juízo é delicada e envolve, de um lado, a questão humanitária, e de outro, o orçamento limitado e insuficiente do SUS para enfrentar os desafios de saúde. “Sob essa ótica é que deve o Poder Judiciário atuar de modo técnico para definir se a decisão administrativa (negativa de fornecimento de medicamento) é razoável diante das normas constitucionais e legais que disciplinam a matéria ou se ela é afrontosa a essas normas”, afirmou.

O magistrado constatou que o fármaco pleiteado foi submetido à análise técnica da Anvisa e obteve o seu registro, atestando a sua eficácia, segurança e qualidade para ser comercializado no pais em 1998. Lembrou que esse registro “caducou” no ano de 2003 e que não consta informação de pedido renovatório. “Assim, tenho que o autor não pode ser prejudicado em razão de uma decisão (possivelmente comercial) da empresa fabricante”, pontuou.

A decisão foi pautada, também, pela análise da perícia apresentada no processo. “A prova produzida é forte no sentido de que o medicamento demandado é imprescindível ao autor, que já foi submetido a outras terapias sem resposta positiva”, avaliou o juiz. Outro fator comprovado pericialmente é que houve controle da doença durante o período em que o menor utilizou o Diazóxido de 25 mg. “Constatada a eficácia do medicamento para o tratamento da doença, bem como a inexistência de substituto terapêutico, tenho que o autor, de forma excepcional, faz jus à medicação postulada”, concluiu.

Ao deferir o pedido em regime de urgência, o juiz determinou que a União forneça o medicamento, na forma e nos quantitativos que se façam necessários, de acordo com o relatório médico e prescrição que deve ser atualizada semestralmente. 

Processo n° 5006034-50.2019.4.03.6100


FONTE: TRF DA 3A. REGIÃO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Operadora não pode rescindir sem motivo plano de saúde coletivo com menos de 30 usuários

A Quarta Turma consolidou o entendimento entre os colegiados de direito privado do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ao estabelecer que as operadoras de planos privados de saúde não podem rescindir unilateralmente e sem motivo idôneo os contratos coletivos com menos de 30 beneficiários. Ao negar provimento ao recurso especial de uma operadora, o colegiado consignou que, nessa hipótese, as bases atuariais são semelhantes às das modalidades individual ou familiar, em que há maior vulnerabilidade do consumidor. O caso julgado pelo STJ teve origem em ação ajuizada por uma empresa contábil após a operadora do plano rescindir unilateralmente o contrato coletivo firmado em 1994 e que contemplava apenas cinco beneficiários, todos com idade superior a 60 anos. Em primeiro e segundo graus, a Justiça de São Paulo julgou a ação procedente e manteve vigente o contrato. Três espécies A relatora do recurso no STJ, ministra Isabel Gallotti, explicou que a  Lei 9.656/1998  distinguiu três

Negativa de internar paciente com sintomas de Covid-19 gera dever de indenizar

  Plano de saúde não atendeu à solicitação médica. A 1ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo condenou operadora de plano de saúde a indenizar por danos morais paciente cuja internação por suspeita de Covid-19 foi negada. Em votação unânime, a reparação foi fixada em R$ 10 mil e a ré deve arcar com os custos da internação em rede particular. De acordo com os autos, após apresentar sintomas do novo coronavírus, o paciente solicitou ao convênio médico autorização e cobertura para a internação hospitalar em caráter de urgência, conforme prescrição médica, mas o pedido foi negado. A empresa alega que a internação pleiteada era impertinente num primeiro momento, pois o autor não apresentava os principais sintomas da doença. Para a desembargadora Christine Santini, relatora da apelação, existindo expressa recomendação médica para a internação hospitalar, não compete à operadora analisar o quadro clínico do autor. " É pacífico o entendimento de que compete ao médi

O direito de permanência em plano de saúde para aposentados e demitidos sem justa causa

  A   Constituição Federal de 1988 estabelece que a saúde é direito de todos e dever do Estado. Para cumprir o mandamento constitucional, o poder público pode prestar os serviços diretamente ou por meio de terceiros, inclusive de pessoas físicas ou jurídicas de direito privado. Nesse contexto, os planos e seguros de saúde proporcionam aos seus beneficiários a possibilidade de ter um atendimento, em geral, mais rápido e com mais qualidade do que o oferecido em instituições públicas, normalmente sobrecarregadas. Com a finalidade de proporcionar saúde a seus empregados e atrair novos colaboradores, órgãos públicos e empresas privadas incluem em seu plano de benefícios a oportunidade de contratação de plano ou seguro de saúde subsidiado. Muitas controvérsias jurídicas advêm dessa relação operadora-empregador-empregado – entre elas, as discussões sobre o direito de trabalhadores demitidos ou aposentados permanecerem no plano de assistência à saúde. Não raras vezes, o tema do direito de